Pin It

Projeto Rio Resiliente busca caminhos para enfrentar mudanças climáticas

A prefeitura do Rio de Janeiro lançou, na última quinta-feira (22/01), o projeto Rio Resiliente, que busca traçar as principais estratégias e orientações para enfrentar os impactos e se adaptar aos choques causados pelas mudanças climáticas e desafios urbanos.

O evento de lançamento foi realizado no Palácio da Cidade, com a participação do prefeito Eduardo Paes, o Chefe Executivo de Resiliência e Operações, Pedro Junqueira, um dos membros do Comitê Gestor, Sergio Besserman e alguns representantes da Fundação Rockfeller, patrocinadora do projeto.

lancamento programa Rio Resiliente

Resiliência é a capacidade de agir preventivamente, para que os choques, como as fortes chuvas, que causam alagamentos e deslizamentos de encostas, causados pelas mudanças climáticas, gerem o menor impacto possível na vida da cidade.

A partir deste projeto, a prefeitura construirá o Plano de Resiliência da cidade, que deverá ser desenvolvido de forma colaborativa, e contará com a contribuição de alguns órgãos do governo estadual e federal, parceiros privados e a sociedade civil.

Durante sua apresentação, o prefeito Eduardo Paes ressaltou que o projeto não resolve todos os problemas que a cidade enfrenta, mas é a principal maneira de minimizar os impactos climáticos e evitar as catástrofes, como as que atingiram a cidade nos últimos três anos. “O Rio tem se tornado modelo de gestão municipal, desempenhando um planejamento eficiente e desenvolvendo estratégias e ações que mudam a vida da cidade”, disse ele.

É importante lembrar que em 2013 o Rio de Janeiro entrou para a lista das 32 primeiras cidades selecionadas para a rede “100 Cidades Resilientes”, gerenciada pela Fundação Rockfeller, organização internacional sem fins lucrativos que financia iniciativas filantrópicas. Além disso, é a primeira cidade do hemisfério sul a lançar um programa voltado para resiliência. Desde 2009 já foram aplicados R$4,3 bilhões em ações nessa área e mais de 100 funcionários, de cerca de 40 órgãos municipais, já participaram deste trabalho.

Uma das principais iniciativas da cidade foi a criação do Centro de Operações Rio, construído pela prefeitura em 2010, hoje considerado o principal elemento de resiliência da cidade, integrando cerca de 30 órgãos, entre instituições municipais, estaduais e concessionárias, com o objetivo de monitorar e otimizar o funcionamento de toda cidade, 24h por dia, sete dias por semana.

Segundo Sergio Besserman, membro do Comitê Gestor, as mudanças climáticas devem estar dentro do eixo central do planejamento estratégico das cidades, principalmente ao longo das próximas quatro décadas, previsão de piorar os impactos causados. “Do ponto de vista social, o plano beneficiará os moradores das áreas mais vulneráveis a estas mudanças. Já do ponto de vista econômico, as cidades que se prepararem para enfrentar e minimizar os impactos serão mais competitivas”, afirma.

Para Pedro Junqueira, o principal compromisso deste plano não é resolver os problemas, mas colaborar para a prevenção. “A resiliência da cidade começa a partir da conscientização. É importante considerar o passado, entender o presente, e garantir um futuro mais seguro”, diz.

Para conhecer mais sobre o projeto, acesse: www.centrodeoperacoes.rio.gov.br

 

Post escrito pelo nosso colaborador carioca Pedro Cruz. 

3 comentários sobre “Projeto Rio Resiliente busca caminhos para enfrentar mudanças climáticas

  1. Luiz Alberto Sampaio

    Ficamos muito feliz com o Projeto Rio Resiliente, estas iniciativas tornam a sociedade civil organizada mais preparada para enfrentar as adversidades climaticas e nos da Cruz Vermelha Brasileira – Rio de Janeiro, nos colocamos prontos para poder participar em mais uma iniciativa de melhor viver e conviver.

  2. Indinalva Nepomuceno Fajardo

    Esse é um mega projeto de inspiração sustentável! " “A resiliência da cidade começa a partir da conscientização". Excelente, Pedro Junqueira!!! Prevenir é muito mais importante. É preciso, com esse projeto, avançar na direção do estímulo e da promoção às ações de políticas públicas, sociais e coletivas, numa perspectiva interacionista e dialética que levam em consideração o contexto, o meio ambiente, a força da natureza para conseguir minimizar os impactos violentos e prejudiciais à população e às cidades, provocadas pelas aceleradas mudanças climáticas que ocorrem em todo mundo. Isso implica também inserir no projeto “Rio Resiliente” o papel da cultura e dos agentes da área da Educação que lidam diretamente com crianças e adolescente. Isto para que essa conscientização aconteça de forma efetiva e alicerçada.

  3. Indinalva Nepomuceno Fajardo

    O projeto Rio Resiliente é um mega projeto de inspiração sustentável! “A resiliência da cidade começa a partir da conscientização”. Excelente, Pedro Junqueira!!! Prevenir é muito mais importante. É preciso, com esse projeto, avançar na direção do estímulo e da promoção às ações de políticas públicas, sociais e coletivas, numa perspectiva interacionista e dialética que levam em consideração o contexto, o meio ambiente, a força e o poder da natureza para conseguir minimizar os impactos violentos e prejudiciais à população e às cidades, provocadas pelas aceleradas mudanças climáticas que ocorrem em todo mundo. Isso implica também inserir no projeto “Rio Resiliente” o papel da cultura e dos agentes da área da Educação que lidam diretamente com crianças e adolescentes. Isto para que essa conscientização aconteça de forma efetiva e alicerçada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: