Pin It

Reverência ao destino… Minha história com Carlos Drummond de Andrade

Na escola em que fiz o antigo primário (Armando Cridey Riguetti no Itaim Paulista aqui em sampa), tinhamos aulas semanalmente na biblioteca, algo raro em escolas públicas  até hoje. Infelizmente não me lembro o nome da bibliotecária, mas me lembro do seu jeitinho tranquilo de oriental, achava engraçado na 3º série quando ela me questionava se realmente eu tinha lido aquela quantidade de livros que levava para casa.

Foi lá que conheci a coleção Vaga-Lume e a Para gosta de Ler, meu sonho é reunir as duas coleções para meus filhos. E foi meio que aprendendo a gostar de ler, que conheci o Carlos Drummond de Andrade, e depois de mais de 20 anos, ainda me surpreendo com a grandiosidade de sua obra.

Das prosas e histórias de menino em Minas Gerais, das crônicas da pujante São Paulo do final da primeira metade do século XX, aos poemas que tocam e dilaceram a alma.

Obrigado @ValdirJM, por ter compartilhado o vídeo abaixo:

[ update] Depois de postar, descobri que a autoria do poema abaixo, não é confirmada como sendo de Drummond, se alguém souber me confirmar, me avise please [/update]

Reverência ao destino – Carlos Drummond de Andrade
Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer “oi” ou “como vai?”
Difícil é dizer “adeus”. Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas…

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa. Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.
Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

6 comentários sobre “Reverência ao destino… Minha história com Carlos Drummond de Andrade

  1. Pingback: Bruno Lira

  2. Pingback: Rodrigo Galis

  3. Pingback: Conversas de Cozinha

  4. Pingback: Guilherme N. S.

  5. Pingback: Mãe Com Filhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: