Pin It

São Paulo precisa de um plano de emergência para a crise hídrica #cadeaguaSP

A Aliança pela Água, rede formada por mais de 40 entidades da sociedade civil, está reunida desde outubro de 2014 para alertar e apresentar propostas que ajudem o estado de São Paulo a lidar com a crise atual e construir uma nova cultura de uso, economia e conservação de água. Com este olhar, a Aliança divulgou o documento “Chamado à Ação sobre a Crise Hídrica: por um Plano de Emergência para o Estado de SP“. No documento, a Aliança alerta que nas atuais circunstâncias e “com uma sociedade cada dia mais sensível ao tema, é inaceitável que os diversos níveis de governo e os vários setores econômicos ainda não tenham se unido para elaborar um abrangente Plano de Emergência a fim de mitigar os efeitos da crise e garantir o abastecimento de água para consumo humano durante a estiagem de 2015, que começa em março/abril.”

O documento também descreve as etapas para se chegar a este Plano de Emergência:

I. Instalação de uma Força tarefa para gestão de crise em âmbito estadual com participação de municípios e sociedade;
II. Plano articulado e coordenado de Gerenciamento de Oferta de Água;
III. Comunicação institucional, com foco em educação, autonomia hídrica,
engajamento e mídia;
IV. Discutir e detalhar alternativas emergenciais e de médio prazo para garantir
abastecimento de água;
V. Pacto social pelo desmatamento zero e recuperação das áreas de mananciais
do estado de São Paulo, discorrendo sobre cada uma dessas etapas e apresentando também uma análise de presente e futuro.

O texto defende que “uma crise de grandes proporções como a que estamos vivendo cria oportunidades para profundas mudanças de paradigma na gestão da água a partir de três princípios básicos: a água é um direito humano e não pode ser tratada como mercadoria; todos os governos têm responsabilidade sobre a água e prestam um serviço à população; e os planejamentos hídricos devem necessariamente considerar a recuperação e recomposição dos mananciais e das atuais fontes de água.

A partir da segunda quinzena de fevereiro, a Aliança pela Água dará início a uma série de publicações técnicas, eventos, audiências e aulas públicas em diferentes regiões de São Paulo e em municípios abastecidos pelo Sistema Cantareira a fim de qualificar o debate, aprofundar a percepção sobre as causas da falta d’água, mobilizar a sociedade e para contribuir com soluções e exigir que o poder público gerencie a crise de forma adequada.

Todos os detalhes estão no documento (acesse aqui).

 

Sobre a Aliança pela Água:

A Aliança pela Água de São Paulo reúne organizações com formas bem diversas de atuação. Mesmo com essa pluralidade, que enriquece o debate e aumenta a eficiência das soluções, as organizações participantes propõem um consenso em torno de um conjunto de ações . Essa Agenda Mínima é o núcleo que vai permitir que instituições independentes entre si unam esforços e multipliquem o resultados de suas iniciativas. As propostas levantadas no mapeamento Água@SP e a serem debatidas nos próximos meses podem ser vistas como aprofundamento das linhas gerais de ação propostas nessa Agenda Mínima As medidas propostas são:

Fontes: SOS Mata Atlântica e Aliança pela Água

Comments

comments

Um comentário sobre “São Paulo precisa de um plano de emergência para a crise hídrica #cadeaguaSP

  1. Pingback: Ebook: Manual de sobrevivência para a crise da água

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: