Pin It

Carta a uma jovem que acreditou que a escola pode ser melhor

Era uma vez,  uma menina que vou chamar aqui de Joana*. Ela era estudante do último ano do ensino médio,  de uma escola estadual de Guarulhos.

Joana e seus amigos percebendo a luta de seus professores por melhores condições de trabalho,  resolveram organizar uma mobilização com cartazes,  mostrando apoio aos professores que estavam em greve.  E não é que esse lindo gesto de protagonismo juvenil ganhou repercussão nas redes sociais….

Mas sabe como é,  infelizmente ainda estamos na sociedade em que a corda arrebenta do lado mais fraco.  A mãe da Joana foi chamada na escola,  e a atitude destes jovens que deveria ser visto como um sinal de que a escola fez o seu papel,  de formar cidadãos pensantes,  foi visto como uma subversão.  Teve um tempo conhecido como Ditadura, em que jovens,  principalmente estudantes,  eram presos sob essa acusação.

Pois é,  e ainda há quem diga que censura não existe.  Mas Joana,  não desanime não,  e nem sinta vergonha do que vocês fizeram.  Errado é o sistema que ao invés ser um espaço que fomente o pensamento livre,  prefere tratar a educação como uma linha de produção,  em que todos saem de lá com o mesmo pensamento padrão.  Pink Floyd, lá em 1979 fez uma música que criticava exatamente isso.

Joana,  saiba que teve uma menina lá em Florianópolis,  a Isadora Faber,  que aos 13 anos fez uma fanpage para contar as coisas que via que estava errado em sua escola.  Ela também teve problemas com a diretoria, e veja que absurdo,  chegou a ser perseguida em sua própria casa.  Mas sabe,  a história dela virou livro  e hoje ela é referência de protagonismo jovem e dá palestras pelo Brasil.

wpid-livro-diario-de-classe.jpg.jpeg

Outra que gostaria que você conhecesse é a Malala,  que desafiou quem em sua terra dizia que meninas não deviam estudar.  E essas pessoas fizeram algo muito sério com ela,  não foi só uma ameaça,  mas sim um atentado à sua vida.  Foi muito triste o que aconteceu com ela,  mas ela sobreviveu,  e este ano recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

wpid-img_171885797907898.jpeg

Joana,  há muitos que se incomodam com quem “pensa fora da caixinha”.  Lembra do filme teen Divergente? Na vida real também é assim.  Mas não desanime!  Saiba que há momentos em que precisamos dar um passo atrás,  mas para depois alçar voo.  E tenho certeza que você tem muito potencial.

Mãe da Joana,  sinta-se abraçada.  Sinto muito pela escola não ter feito o que era certo,  e ter te parabenizado pela filha que você tem.  Espero que essa carta chegue a vocês com a minha intenção de apóia-las.  E saiba que eu como mãe,  entendo que muitas vezes precisamos tomar decisões para protegê-los.  Pois tudo que queremos é garantir o futuro deles.  Força Mãe! Força Joana!

* Joana é um nome fictício. Escolhi fazendo referência a guerreira francesa Joana D’arc, que foi incompreendida em sua época. Esta carta é uma homenagem a todos os jovens que participaram da mobilização.

Update 1 – Enquanto isso no Jd. Presidente Dutra: Em Guarulhos, greve dos professores ganha apoio de pais e alunos

 

 

Update 2 – O TV Sala, canal especializado em educação, comentou o ocorrido (confira aos 13 min. de vídeo):

5 comentários sobre “Carta a uma jovem que acreditou que a escola pode ser melhor

  1. Leila Ribeiro

    Joana, conheci uns garotos, hoje todos já na universidade, que passaram exatamente pelo q passou. Isso os levaram a conhecer ainda mais sobre seus direitos e conseguiram fundar um grêmio na escola p/ q discutissem situações como essas e garantir que ela não se repetisse #ForçaJoana

  2. Mariana Piovezan

    Não desanime, saiba que muitos como nós estão lutando por liberdade, é muito bom saber de sua história, e saber que quer fazer a diferença, não deixe que ninguém tire isso de você vá em frente e procure com cuidado e perceberá que existem muitas pessoas pra te apoiar!!Me inspirou a não desistir de minhas militâncias!!!Força!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: